Archive for agosto, 2014

Recomendações para manutenção do aleitamento materno na volta ao trabalho ou estudos:

Working mom holding baby while using laptop

A Organização Mundial da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo (só leite da mãe) até o sexto mês de vida do bebê, e a amamentação acompanhada de outros alimentos até dois anos ou mais. No entanto, muitas mães precisam retornar ao trabalho ou aos estudos antes de o bebê completar os seis meses.

Algumas medidas podem ser tomadas para manutenção do aleitamento: levar o bebê para o trabalho, pedir ao cuidador do bebê para levá-lo ao trabalho da mãe, mas se essas medidas não forem possíveis, uma boa solução é a mãe continuar amamentando quando estiver em casa e ordenhar (retirar) o seu leite para ser ofertado ao bebê na sua ausência.

Ordenha materna

De acordo com o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria a ordenha deve seguir os seguintes passos para manutenção da qualidade nutricional e sanitária do leite:

Orientações às mães:

Preparação:
– Separe um recipiente de vidro com boca larga e tampa plástica (exemplo: de café solúvel). Ele deve estar lavado com água corrente e sabão neutro e esterilizado por fervura de 15 minutos;
– Tenha a mão pano úmido limpo e lenços de papel para limpeza;
– As unhas devem estar limpas e curtas. Os cabelos limpos, amarrados e/ou com touca;
– Lave cuidadosamente as mãos e os braços até o cotovelo com bastante água e sabão neutro;
– Não há necessidade de lavar os seios frequentemente;
– Use máscara ou evite falar, espirrar ou tossir enquanto estiver ordenhando o leite;
– Posicione-se em um local limpo e tranquilos, de maneira confortável e relaxada, sentada ou de pé.

Ordenha:
– Massageie delicadamente a sua mama como um todo com movimentos circulares da base da mama para a aréola. Esse procedimento deve ser feito preferencialmente pela nutriz que assim poderá localizar os pontos mais doloridos (Figura 1);
– Com os dedos da mão em forma de “C”, coloque o polegar na aréola ACIMA do mamilo e o dedo indicador ABAIXO do mamilo. Sustente o seio com seus outros dedos (Figura 2);
– Posicione o recipiente próximo ao seio e faça uma LEVE pressão para aproximar o polegar do indicador e uma PEQUENA pressão para trás, ou seja, em direção ao seu corpo (tórax). O leite deverá sair (Figura 3);
– Despreze os primeiros jatos;
– Pressione e solte, pressione e solte. Repita esta manobra quantas vezes forem necessárias;
– Isto não deve machucar, se doer a técnica está errada. A princípio o leite pode não vir, mas depois de pressionar algumas vezes, o leite começa a pingar. Poder fluir em jorros;
– Pressione a aréola dos lados (Figura 4) da mesma forma para assegurar que o leite está sendo extraído de todo o seio;
– Use a mão esquerda para a mama esquerda e a mão direita para a mama direita ou use as duas mãos simultaneamente (uma em cada mama ou as duas juntas na mesma mama);
– A ordenha adequada tem duração de 20 a 30 minutos em cada uma das mamas. É importante não tentar ordenhar em um tempo mais curto, especialmente nos primeiros dias quando apenas uma pequena quantidade de leite pode ser produzida;

ordenha

– Evite esfregar ou deslizar seus dedos sobre a pele. O movimento dos dedos deve ser mais rotatório;
– Evite comprimir o mamilo entre os dedos, dessa maneira não conseguirá extrair o leite. Acontece o mesmo quando o bebê suga apenas o mamilo.

Variações da técnica:
– Você pode assumir a posição levemente inclinada para frente, na tentativa de facilitar e aumentar o fluxo lácteo;
– Podem ser usadas ambas as mãos numa mesma mama para a extração do leite (Figura 5) e/ou podem ser ordenhados os dois seios simultaneamente em um único vasilhame de boca larga ou em 2 vasilhames separados, colocados um embaixo de cada mama (Figura 6). 

fig 5 e 6

Conservação, validade e preparo:
– O leite materno deverá ficar o menor tempo possível à temperatura ambiente;
– Identifique os frascos com o dia e a hora que foi feito a coleta;
– Guarde o frasco tampado na geladeira por 12 horas ou no congelador/freezer por 15 dias (Fonte: RDC 171/2006 – ANVISA), em posição vertical;
– Caso esse armazenamento não seja possível, ordenhe seu leite e jogue-o fora. Quanto maior o estímulo de produção mais leite você terá para dar ao seu bebê quando estiverem juntos;
– Para ser dado ao bebê, o leite deve ser descongelado na geladeira e aquecido no próprio frasco, em banho-maria fora do fogo;
– O leite materno não pode ser descongelado em micro-ondas e não deve ser fervido para preservar seus nutrientes;
– Antes de oferecer ao bebê, agite o leite levemente para homogeneizar e certifique-se que não está muito quente;
– O leite aquecido ou descongelado que não foi usado deve ser jogado fora;
– O leite retirado deve ser oferecido preferencialmente em copinho, xícara ou colher. O uso de mamadeira pode dificultar a continuidade da amamentação no peito porque o bebê pode estranhar o bico do peito da mãe.

Técnica do copinho:

copinho1. Posição confortável para a criança e para quem for oferecer o leite no copinho, na posição sentada ou semi sentada a cabeça elevada;
2. A criança deve estar calma;
3. Conter os braços da criança para evitar acidentes com o copo;
4. Posicionar a criança verticalmente ou quase verticalmente;
5. Colocar o copinho gentilmente no lábio inferior;
6. Inclinar o copo levemente para que a criança sinta o leite no lábio inferior;
7. Nunca despejar o leite dentro da boca do bebê;
8. A criança deve “lamber” o leite para depois deglutir;
9. Interagir com a criança durante a alimentação;
10. Oferecer o copinho até que a criança mostre sinais de estar saciada (ex.: mostra-se com sono ou para de se alimentar).

Dicas:
– A ordenha mamária pode ser feita também com auxílio de bombas manuais ou elétricas (seguir as orientações dos manuais). As condutas de higiene, armazenamento e oferta ao bebê devem ser seguidas igualmente;
– Uma ou duas semanas antes de voltar ao trabalho você já pode começar a tirar o seu leite e guardá-lo no freezer para fazer um estoque;
– Amamente antes de sair de casa para o trabalho, imediatamente após regressar e durante a noite;
– No trabalho, se possível, retire o leite, tantas vezes quanto seu bebê mamaria se estivesse com você;
– Nos dias de folga, ofereça o peito à vontade;
– Caso você decida doar o excesso do seu leite a um Banco de Leite Humano, congele-o imediatamente após a ordenha.

Fontes de apoio para texto:
– Álbum seriado. Promovendo o Aleitamento Materno 2ª ed, revisada. Brasília: 2007.
– Cartilha: Promoção da amamentação e alimentação complementar. Realização Senac São Paulo e o Santander Universidades. 2014.
– Site Sociedade Brasileira de Pediatria: Recomendações úteis para a manutenção do aleitamento materno em mães que trabalham fora do lar ou estudam.
– Site Sociedade Brasileira de Pediatria: Saiba como usar o copinho na alimentação de bebês em Aleitamento Materno.

Anúncios

7 de agosto de 2014 at 12:02 Deixe um comentário

Alimentação para mães durante a amamentação:

A mulher que amamenta, denominada nutriz ou lactante, possui necessidades nutricionais específicas.

alimentação nutriz
A nutrição adequada é benéfica tanto para o organismo da mãe que requer mais calorias para nutrir seu filho e manter suas funções normais e saudáveis; quanto para a saúde do bebê, pois a alimentação da mãe tem impacto sobre a composição do leite produzido.

Aspectos alimentares que devem ser cuidados durante a amamentação:

Energia:
A nutriz requer mais calorias extras na sua dieta para produção de leite. No entanto essa energia deve ser obtida através de uma alimentação saudável, equilibrada e fracionada em seis refeições por dia.

Esse não é o período indicado para a prática de dietas visando perda de peso. Com acompanhamento nutricional adequado a nutriz poderá seguir um plano alimentar com objetivo de diminuição gradativa do peso adquirido na gestação sem prejudicar a produção e composição do leite materno. Lembrando que a amamentação ajuda na perda de peso da mãe.

Água:
O leite materno é composto por mais de 80% de água. Por isso, é importante o consumo de água pura todos os dias e em maior quantidade nesse período.

Peixes:
A ingestão de peixes melhora os níveis de ácidos graxos ômega-3 (gordura boa) no leite materno, proporcionando substratos para desenvolvimento do sistema nervoso e da visão (retina) do bebê. O consumo de três porções de peixe (assado, grelhado, ensopado), principalmente sardinha (rica em ômega-3), deve ser incentivado.

Cafeína:
O consumo de cafeína por mães que amamentam não é contraindicado pela Academia Americana de Pediatria. Entretanto, a quantidade de café, chás (preto, mate, verde), refrigerantes à base de cola, chocolate, deve ser controlada. A ingestão excessiva desses alimentos pode provocar insônia, irritabilidade e cólicas no bebê.

Álcool:
A ingestão de álcool não é recomendada durante a amamentação, pois pode causar mudança de odor e composição do leite materno, levando a recusa da criança em mamar. O consumo de álcool em ocasiões especiais, em pequena quantidade e, preferencialmente, após a mamada não afeta a dinâmica da lactação. No entanto, o consumo ocasional só deve ser liberado após avaliação individualizada pelo médico ou nutricionista.

Vitaminas e Minerais:
O consumo diário de porções de alimentos ricos em vitaminas “A” e “C” e fontes de ferro (carnes, açaí, soja, ovo de galinha, vegetais verdes escuros, cereais integrais, feijão, lentilha) deve ser orientado às lactantes.

“Se você é nutriz lembre-se de que a consulta com um nutricionista traz tranquilidade e segurança de que você está consumindo a quantidade certa de energia e nutrientes para você e seu bebê nessa fase de aleitamento”.

Fonte de apoio para o texto: Livro Nutrição: da gestação ao envelhecimento – Marcia R. Vitolo (ed.) – Rio de janeiro, 2008. 

6 de agosto de 2014 at 17:02 Deixe um comentário

NÃO EXISTE LEITE FRACO:

Mother Nursing Newborn
A Organização Mundial da Saúde recomenda que as crianças sejam amamentadas exclusivamente até o 6º mês de vida. No entanto, algumas mães param de amamentar e introduzem leite artificial e outros alimentos antes dos 6 meses de vida do bebê por acharem que seu leite é fraco e/ou com pouco volume.

Sobre esse assunto, segue uma lista de orientações e dicas:

  • O leite materno dos primeiros dias após o parto até cerca de uma semana é chamado de colostro. O colostro é um líquido amarelado (ou claro), espesso e com volume de 2 a 20 ml por mamada nos três primeiros dias (características normais). Apesar do atributo normal de pouco volume esse leite é rico em minerais, vitaminas e anticorpos que conferem proteção contra vírus e bactérias. Ele é importantíssimo para os bebês e por isso é fundamental que as crianças recebam esse leite já nas primeiras horas após o parto ou até mesmo na sala de parto.
  • Durante a mamada, o leite que sai primeiro é mais aquoso (para hidratação) e o posterior é mais rico em gordura/calorias (para nutrição). Portanto, deve-se deixar o bebê esvaziar uma mama a cada mamada para depois oferecer a outra. Isso garante para criança nutrição e ganho de peso adequado.
  • Dar outros leites, alimentos ou até mesmo água e chás antes do tempo faz com que os bebês mamem menos. O leite materno é FORTE e totalmente suficiente para seu bebê até o 6º mês de vida.
  • O uso de mamadeiras e chupetas podem também interferir na “pega” e na frequência das mamadas, como resultado, a mãe produz menos leite. Deixe seu bebê mamar livremente ao peito, sem horários e restrições. Quanto mais leite o bebê retira através da mamada mais se produz.
  • Nas primeiras semanas após o parto é normal amamentar de 8 a 12 vezes em 24 horas, quem determina a frequência é o bebê.
  • Sinais de que a criança está com fome: ficar agitada, acordada, começar a fazer movimentos com a boca ou pescoço (rotação). O choro é o último indicador de fome.
  • Não existe leite fraco. O leite materno tem todas as substâncias na quantidade certa que o bebê precisa para crescer e se desenvolver sadio.

Amamente seu filho e busque ajuda profissional se surgirem dúvidas ou dificuldades!

Fonte de apoio para o texto:
Álbum seriado. Promovendo o Aleitamento Materno 2ª ed, revisada. Brasília: 2007.
Livro Nutrição: da gestação ao envelhecimento – Marcia R. Vitolo (ed.) – Rio de janeiro, 2008. 

5 de agosto de 2014 at 17:12 Deixe um comentário

10 passos para o aleitamento materno bem-sucedido:

  1. Mother breastfeeding her newborn baby at homeSe informar sobre as vantagens do aleitamento materno, através de livros, sites confiáveis, profissionais da área da saúde;
  2. Iniciar o aleitamento o mais cedo possível, de preferência na sala de parto;
  3. Buscar orientações de como amamentar (posições da mãe, posição do bebê, “pega” correta) antes de sair do hospital;
  4. Caso aconteçam complicações com as mamas (ingurgitamento, fissuras, rachaduras), buscar imediatamente ajuda em hospital, banco de leite ou com profissional da área da saúde capacitado (médico, enfermeiro, nutricionista);
  5. Manter a lactação mesmo se tiver que voltar a trabalhar, através da ordenha;
  6. Não dar nenhum tipo de alimento ou bebida (água, chá, suco) além do leite materno até o 6º mês de vida do bebê (salvo exceções orientadas pelo médico – doenças);
  7. Praticar o aleitamento materno sob livre demanda, ou seja, sem horários fixos ou determinados, sempre que o bebê quiser;
  8. Não dar bico artificial ou chupeta a crianças amamentadas ao seio. As formas de sugar o peito e o bico/chupetas são diferentes, o bebê pode confundir e passar a mamar errado, sem tirar do peito a quantidade de leite que necessita;
  9. Amamentar em locais tranquilos e em posições confortáveis, onde mãe e bebê possam aproveitar esse momento de carinho sem preocupações e distrações;
  10. Receber apoio e incentivo dos familiares e da comunidade.

4 de agosto de 2014 at 14:03 Deixe um comentário

Complicações mais comuns durante a amamentação:

© Copyright 2010 CorbisCorporationEssas complicações não impedem a amamentação, procure ajuda em um banco de leite, posto de saúde, com seu médico ou nutricionista. Os profissionais da saúde irão lhe orientar no tratamento. Mas lembre-se, a prevenção é o melhor tratamento.

Ingurgitamento mamário:

O que é? É o acúmulo de leite nas mamas. Elas ficam doloridas, quentes, inchadas e rígidas.

Causa: Pode ocorrer por aumento na produção de leite ou por dificuldade no esvaziamento.

Prevenção:

  • Amamentar logo após o parto;
  • Fazer massagens circulares nas mamas, massageando principalmente os “nódulos” encontrados;
  • Deixar o bebê mamar sob livre demanda, sempre que ele quiser;
  • Se as mamas estiverem muito cheias, retirar o excesso e oferecer o peito com maior frequência.

Tratamento: Antes de o bebê sugar a mãe deve fazer massagem nas mamas, deixando escorrer um pouco do leite (para área ficar mais amolecida). O melhor tratamento é a ordenha do peito (não deixar o peito muito cheio de leite).

Observações:

  • Não se deve usar bomba elétrica ou manual;
  • Compressas quentes e frias devem ser feitas somente com acompanhamento de um profissional da área da saúde;
  • O ingurgitamento geralmente ocorre nos dois peitos e nas duas primeiras semanas após o parto;
  • Se não melhorar em 24 horas, a mama ficar avermelhada e a mãe tiver febre, deve-se procurar o médico para evitar complicações como mastite ou abscessos.


Fissuras e rachaduras:

Causas: Pega errada e preparo inadequado dos mamilos no período pré-natal.

Prevenção: 

  • Expor a área dos mamilos e aréola ao sol (antes das 10h da manhã ou após 16h) para fortalecer a pele; 
  • Não passar óleos, nem cremes que retirem a proteção natural da região;
    Amamentar sob livre demanda;
  • Ordenhar o leite antes de a criança mamar (quando a mama estiver muito cheia) para facilitar a extração;
  • Evitar uso de intermediários de mamilo.

Tratamento:

  • Itens acima;
  • Mudar a posição da mamada utilizando a posição invertida (ver figura no final do texto);
  • Analgésicos oral, com orientação médica;
  • Deixar o leite materno atuando no local das fissuras;
  • Manter as mamas mais livres para que o local fique seco por mais tempo e não haja atrito do sutiã ou das roupas.

Observações: Fissuras e rachaduras são comuns no primeiro mês após o parto. Se a mãe tiver febre alta ou muita dor, consultar o médico.


Mastite:

O que é? Processo inflamatório que pode ou não evoluir para infecção bacteriana. A parte da mama atingida fica dolorosa, edemaciada e com aumento da temperatura.

Causa: Evolução de ingurgitamento, fissuras e rachaduras.

Tratamento: Com apoio médico.

Observação: A mastite geralmente acomete só uma mama e após duas semanas do parto. Quando não tratada adequadamente pode evoluir para um abscesso (acúmulo de pus). A mastite não contraindica a amamentação.

posição invertida

Fonte de apoio para o texto:
a) Álbum seriado. Promovendo o Aleitamento Materno 2ª edição, revisada. Brasília: 2007.
b) Livro Nutrição: da gestação ao envelhecimento – Marcia R. Vitolo (ed.) – Rio de janeiro, 2008.

3 de agosto de 2014 at 13:00 Deixe um comentário

Forma correta de amamentar:

Sabe-se que se as técnicas de amamentação estiverem corretas diminui-se muito o risco de desmame precoce. Mas que forma correta é essa?

O texto de hoje vai ensinar as mães como amamentar seu bebê de forma correta e com isso evitar algumas complicações como ingurgitamento (acumulo de leite nas mamas), fissuras e rachaduras, mastite e até o desmame.

Posição do bebê (Figura 1):

  • O corpo do bebê deve estar inteiramente de frente para a mãe e bem próximo (barriga do bebê voltada para o corpo da mãe). A mãe deve apoiar com o braço e mão o corpo e o “bumbum” do bebê;
  • O bebê deve estar alinhado, a cabeça e a coluna em linha reta, no mesmo eixo;
  • A boca do bebê deve estar bem de frente para o bico do peito, para que ele possa abocanhar, ou seja, colocar a maior parte da aréola (área mais escura e arredondada do peito) dentro da boca. Queixo do bebê deve tocar o peito da mãe.

A mãe pode apoiar um travesseiro no colo para que seus braços não fiquem suspensos no ar segurando o bebê e ainda usar um apoio embaixo dos pés para facilitar a posição, permitindo assim, que a boca da criança fique no mesmo plano da aréola.

Dicas para a hora da amamentação:

  • Se o peito estiver muito cheio, antes de amamentar, a mãe deve fazer uma ordenha manual para amaciar a aréola. Com os dedos indicador e polegar, ela deve espremer as regiões acima e abaixo do limite da aréola para retirar algumas gotas de leite e amaciar o bico (figura 2);
  • A mãe deve segurar a mama com a mão em “concha” e não simulando uma “tesoura” (figura 3);
  • Uma prática que ajuda na pega é com o dedo indicador puxar levemente o queixo do bebê para baixo, com isso ele abri mais a boca e pega bem a aréola;
  • A mãe deve ouvir o ritmo cadenciado de sucção, deglutição e pausa;
  • Oferecer um peito até o bebê soltar e depois oferecer o outro. Não interromper a mamada, porque é importante dar de mamar até o bebê soltar, para receber o leite do final da mamada, que é mais rico em gorduras. O leite do início “mata” a sede e protege o bebê, o do final alimenta;
  • Quando a criança tiver mamado todo o leite, orienta-se que a mãe não a puxe, e sim coloque o dedo mindinho no canto da boca da criança para facilitar a retirada sem causar atrito (figura 4);
  • Na próxima mamada, começar com o peito que o bebê sugou por último na mamada anterior, ou no que não mamou, pois é importante retirar a maior quantidade possível de leite para estimular sua produção.

A “pega” está adequada quando:

  • Boca bem aberta;
  • Lábios virados para fora;
  • Queixo tocando o peito da mãe;
  • Aréola mais visível na parte superior que na inferior;
  • Bochecha redonda (“cheia”);
  • A língua do bebê deve envolver o bico do peito.

Mãe e bebê devem estar confortáveis. Se o bebê mamar corretamente, não vai machucar o seio da mãe e vai retirar melhor o leite, matando a sua fome mais rapidamente e vai fazer intervalos maiores entre as mamadas.

Lembrete: O aleitamento materno exclusivo é preconizado até o 6º mês de vida do bebê.

Sem título

 

Fonte de apoio para o texto: Álbum seriado. Promovendo o Aleitamento Materno 2ª edição, revisada. Brasília: 2007.

2 de agosto de 2014 at 10:00 Deixe um comentário

01 a 07 de agosto de 2014 – Semana Mundial do Aleitamento Materno

amamentaçãoDê somente leite materno ao seu bebê até o 6º mês de vida, sem oferecer água, chás ou quaisquer outros alimentos;

O leite materno contém tudo o que seu filho necessita até o 6º mês de idade, inclusive água, e ainda protege contra infecções e outras doenças;

A criança que recebe outros alimentos além do leite materno antes dos seis meses, principalmente através de mamadeira, incluindo água e chás, adoece mais facilmente e pode ficar desnutrida.

Lembre-se: o seu leite é o melhor alimento!

1 de agosto de 2014 at 17:33 Deixe um comentário


Páginas

agosto 2014
D S T Q Q S S
« abr   set »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31